Eletrobrás - CEPEL, Centro de Pesquisas de Energia Elétrica - www.cepel.br



Dicas para o Setor Industrial
| Contrato de Fornecimento de Energia Elétrica | Motores Elétricos e Acionametos | Transformadores | Geração de Vapor | Fornos |
| Iluminação | Ar Comprimido | Ventilação e Ar Condicionado |

Contrato de Fornecimento
de Energia Elétrica

A análise do contrato de fornecimento de energia elétrica permite o acompanhamento do perfil de utilização da energia ao longo do tempo, contribuindo para um melhor aproveitamento da energia comprada da concessionária.
A presença de um desses itens na conta de energia elétrica indica que alguma medida de otimização pode ser efetuada:

• Ultrapassagem de demanda
• Baixo Fator de Carga
• Cobrança de Excedentes Reativos
• Demanda Medida muito abaixo da Demanda Contratada

Uma vez constatada alguma irregularidade nesse perfil, medidas administrativas simples, como renegociação do contrato junto à concessionária, ou medidas de baixo investimento, como a instalação de sistemas de gerenciamento e/ou controladores de demanda, podem proporcionar uma redução significativa nos gastos com energia elétrica.

 

 


 

Dicas para o Setor Industrial
| Contrato de Fornecimento de Energia Elétrica | Motores Elétricos e Acionametos | Transformadores | Geração de Vapor | Fornos |
| Iluminação | Ar Comprimido | Ventilação e Ar Condicionado |

Motores Elétricos e Acionametos
Os motores elétricos são responsáveis pelo processamento de praticamente metade da energia elétrica consumida no setor industrial. Essa grande participação torna as medidas de conservação de energia em motores de grande valor.
Algumas dicas são bastante úteis no combate ao desperdício de energia em motores elétricos, onde podemos destacar:

Eliminação dos motores superdimensionados- Motores que acionam cargas com requisição de potência muito abaixo da potência nominal do motor (menor que 50%) estão sujeitos a uma operação ineficiente. Esse fator pode ser considerado como o principal ponto de desperdício em motores. A correta adequação do motor à carga representa economias de energia que podem chegar a 30%.
Uso de Motores de Alto Rendimento - Esse tipo de motor apresenta por fora as mesmas características do motor comum, porém o seu interior é constituído de material de melhor qualidade, elevando o seu rendimento em até 10%. O uso de motores de alto rendimento é aconselhável principalmente em processos contínuos, onde o motor opera mais de 7000 horas por ano. Nos demais casos, faz-se necessária uma análise mais criteriosa da viabilidade econômica dessa substituição.
Reparo do motor queimado - A cultura de reenrolamento de motores danificados deve ser amplamente discutida, pois um motor reformado geralmente apresenta queda no seu rendimento. O aumento dos gastos com energia elétrica devido ao aumento do consumo desse motor, em muitos casos seria suficiente para comprar um motor novo.
Controle de velocidade - O uso de inversores de freqüência usado para o controle de velocidade de motores se apresenta como uma alternativa muito eficiente que pode ser aplicado em substituição dos processos tradicionais de controle de variáveis dos processos industriais, principalmente vazão e pressão em sistemas de bombeamento.

 

 

 

 

Como todo equipamento, o transformador apresenta perdas. Essas perdas podem ser classificadas em dois tipos:

• Perdas no núcleo magnético (perdas no ferro). Essas perdas são constante. Basta que o transformador esteja ligado para que eles aconteçam.
• Perdas no enrolamento (perdas no cobre). A circulação de corrente pelos enrolamentos provoca perda por efeito Joule. Quanto maior a corrente que circula no transformador, maior será a perda no cobre.

Redução das Perdas em Transformadores:

1. Medida de Conservação de Energia
Uma vez adotada qualquer medida de economia, além dessa economia no uso final, existe também uma economia no transformador, pois a carga em questão terá uma menor solicitação de potência, e conseqüentemente, menores são as perdas no cobre.

2. Elevação do Fator de Potência
A elevação do fator de potência reduz a componente indutiva da corrente, reduzindo o valor da corrente de carga.

3. Redistribuição das Cargas entre os Transformadores
Quando uma indústria dispõe de mais de um transformador, pode-se obter uma redução das perdas com uma adequada redistribuição das cargas, de forma que os tranformadores que operam com carregamento elevado tenham sua corrente reduzida, enquanto que outros, com carregamento baixo, recebam parte da carga.

4. Desligamento de Transformadores
Uma das formas de eliminar as perdas no núcleo é desligar o transformador quando este não estiver alimentando nenhuma carga.
Sendo assim, indústrias que não operam no período noturno e em fins de semana reduzirão o seu consumo de energia elétrica, se desligarem seus transformadores.

 

 

 

• Verifique se a temperatura dos gases de escape do seu equipamento (caldeiras, aquecedores, etc), está próxima a valores usuais. Valores maiores que 280°C indicam baixa eficiência.

• Mantenha a chama bem regulada. Chama azul é sinal de boa regulagem.

• Verifique a possibilidade de aumentar a temperatura da água de alimentação caldeira. Cada 5,0°C de aumento na temperatura leva a uma redução de aproximadamente 1,0% no consumo de combustível.

• Estude a possibilidade de pré-aquecer o ar de combustão. O aquecimento até 100°C resulta em uma redução do consumo de combustível de no mínimo de 2%.

• Elimine vazamentos no sistema de distribuição de vapor. A instalação adequada de drenos, respiros, purgadores e os corretos diâmetros e inclinações das tubulações de vapor e condensado são fundamentais para a utilização eficiente do vapor.

• Mantenha em bom estado o isolamento de equipamentos e tubulações. Cada metro de tubulação de 6" com vapor saturado a 7,0 kgf/cm2 sem isolamento perde o equivalente a 100 kg de óleo combustível por mês.

 

 

 

 

• Programe a utilização contínua evitando a perda do aquecimento inicial do equipamento.

• Desligue o equipamento imediatamente após o uso e mantenha as portas ou tampas fechadas. Elimine as perdas por frestas.

• Estime o consumo específico (kWh/unidade de produção) e compare com os valores típicos para serviços semelhantes.

• Opere o forno próximo da sua capacidade nominal. O consumo específico aumenta com a redução da carga. Se um forno projetado para produzir 100 kg/h com consumo específico de 0,40 kWh/kg, produzir apenas 50 kg/h, o consumo específico poderá se elevar para 0,56 kWh/kg.

 

 

 

 

• Use Lâmpadas adequadas para cada tipo de ambiente e aproveite ao máximo a iluminação natural, lançando mão de telhas transparentes quando for o caso.

• Instrua os empregados a desligarem as lâmpadas de dependências desocupadas, exceto aquelas que contribuem para a segurança.

• Divida os circuitos de iluminação de modo que possam ser desligados parcialmente sem comprometer o conforto.

• Em ambientes com iluminação constante devem ser utilizadas lâmpadas de alta eficiência e vida longa como as fluorescentes compactas.

• Use luminárias abertas para melhorar o nível de iluminamento.

• Distribua os interruptores de modo que permitam as operações "liga/desliga" conforme a necessidade local. A instalação de temporizadores ("timers") pode ser bastante conveniente.

• Verifique os novos lançamentos dos fabricantes de lâmpadas, luminárias, reatores e controle em geral.

 

 

 

 

O Ar comprimido é utilizado na indústria como força de acionamento há mais de um século. Seu uso tem se acentuado, principalmente, em decorrência do desenvolvimento da automação.
Para se otimizar o consumo de energia nos sistemas de ar comprimido, sugerem-se os seguintes procedimentos:

• Eliminar vazamentos na tubulação, juntas, válvulas e gaxetas;
• Manter os manômetros e os interruptores de controle bem calibrados;
• Limitar o uso de ar comprimido nos turnos não produtivos e nos fins de semana;
• Adequar a ventilação na sala dos compressores;
• Utilizar compressores de menor potência nos fins de semana e turnos não produtivos;
• Manter as vávulas solenóides em bom estado de conservação;
• Reduzir a pressão do sistema de ar comprimido;
• Inspecionar sistematicamente o sistema de ar comprimido para detectar vazamentos.

 

 

 

 

Dicas para o Setor Industrial
| Contrato de Fornecimento de Energia Elétrica | Motores Elétricos e Acionametos | Transformadores | Geração de Vapor | Fornos |
| Iluminação | Ar Comprimido | Ventilação e Ar Condicionado |

Ventilação e Ar Condicionado

De maneira geral, pode-se dizer que grande parte das instalações de ventilação e ar condicionado é superdimensionada, principalmente porque essas instalações são calculadas para condições ambientais extremas, o que ocorre numa pequena parcela do tempo.
Na maioria das instalações existem inúmeras oportunidades de economizar energia nos sistemas de ventilação e ar condicionado, conforme descrito a seguir:

• Verificar a possibilidade de elevar os níveis de temperatura utilizados nos ambientes servidos pelo ar condicionado;
• Procurar operar os compressores e chillers a plena carga em vez de dois ou mais com carga parcial;
• Verificar o alinhamento e tensão de todas as correias, ajustando-as quando necessário;
• Reduzir o fluxo de ar para todas as áreas ao nível mínimo aceitável;
• Verificar as perdas em todas as juntas do compressor;
• Observar as operações irregulares do compressor, tais como funcionamento contínuo ou paradas e partidas freqüentes.