:: 06.05.04 ::

Benefícios e prejuízos



Dentre as vantagens da energia eólica, a primeira é contribuir com o desenvolvimento sustentável. ‘‘Um artigo da Nature disse que em 50 anos se continuarem os índices de aquecimento global, um terço das espécies da fauna e flora desaparecerão do planeta. A energia eólica além de não poluir, gera empregos’’, indica o professor Paulo Carvalho.

A Dinamarca está entre os maiores fabricantes de energia eólica, sendo o País que construiu o primeiro gerador eólico para eletricidade em 1891. Atualmente, um terço da população economicamente ativa da Dinamarca é ligada ao setor eólico, direta ou indiretamente. Apesar dos benefícios, sempre vai haver algum impacto ambiental.

Como desvantagens, há o impacto do uso da terra. Deve haver um espassamento entre uma máquina e outra para uma não fazer sombra e não inviabilizar o aproveitamento do vento.‘‘Há problemas na Europa pela densidade demográfica. Mas nós já temos muita área, praias desertas’’, defende Paulo. Essa forma de energia também é variável, porque depende da velocidade do vento.

Outra desvantagem apontada é o ruído. Mas com o avanço da tecnologia, o material das pás tem diminuído o barulho e os equipamentos ainda poderiam ser colocados em praias, conforme Paulo. O quarto problema é o impacto visual que o material pode causar. O quinto é a interferência eletromagnética: as pás podem interferir em sinais de rádio, mas o fenômeno ainda não foi bem estabelecido. Outra possibilidade negativa é que pode trazer danos à fauna, com as pás causando acidentes em aves. No entanto, devem ser feitos estudos sobre as rotas migratórias das aves antes da implantação, segundo o pesquisador.

‘‘Há impactos. Mas se compararmos com outras formas de energia, a energia eólica tem bem menos. A termelétrica, por exemplo, libera o ácido nítrico, responsável pela chuva ácida, que provoca câncer. Libera também dióxido de carbono, responsável pelo aqu ecimento global’’, frisa Paulo Carvalho.

Uma vantagem das centrais eólicas em comparação às usinas hidrelétricas é que a área ocupada também pode ser utilizada para a agricultura e a pecuária, por exemplo. A energia eólica também poderá ajudar no dilema do uso da água do rio São Francisco no Nordeste (na discussão do uso da água para gerar eletricidade versus água para irrigação).

Segundo dados do Fórum de Energias Alternativas, alguns projetos de irrigação pela transposição das águas do rio para outras áreas ou projetos às margens do rio poderiam causar um grande impacto no volume de água dos reservatórios das usinas hidrelétricas. Estudos mostram que as maiores velocidades de vento no Nordeste se dão quando o fluxo de água do Rio São Francisco é menor. A instalação de centrais eólicas pode produzir grandes quantidades de energia elétrica diminuindo o uso da água do rio São Francisco.

Fonte: Jornal O Povo

Voltar