Redação
Anúncios
 
Uma publicação do Sistema Federação das Indústrias do Estado do Ceará
ediÇÕes anteriores
 

Publicada em 28.04.2009

Competência = Conhecimento, Habilidade e Atitude


Competência = Conhecimento, Habilidade e Atitude

Cristina Balerini*

Competência – conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes que, quando integrados e utilizados estrategicamente, permite atingir com sucesso os resultados que dela são esperados na organização.”
Essa é a definição encontrada no livro de Benedito Milioni, Dicionário de Termos de Recursos Humanos, para a palavra competência.

Mas será que é fácil assim identificar o que é competência? Para a consultora do Grupo Catho, Paula Coutinho, de uma forma simples e clara, podemos definir competência individual como o uso dos conhecimentos, das capacidades e comportamentos que os indivíduos adotam voluntariamente no desempenho de atividades e tarefas e perante os contextos de trabalho da organização.

“As competências dependem de três fatores externos
fundamentais:

# A tarefa - Desenhar e redesenhar, permanentemente, postos de trabalho e funções, avaliando a capacidade das pessoas, sua inteligência, sua autonomia, seu sentido de responsabilidade;

# O contexto da função - Criar formas de organização leves, flexíveis e interdependentes, com chefias bem preparadas, que façam do diálogo, da participação e da cooperação autênticas ferramentas de trabalho;

# O contexto da organização - Definir missões e objetivos de maneira clara, praticar uma liderança efetiva e criar políticas de recursos humanos geradoras de motivação para as pessoas.

Ok. Mas quais são as competências que fazem a diferença?

Competitividade, produtividade, agilidade e racionalização de custos são as principais. Segundo a consultora Cristiane Garcia, as competências mais apreciadas atualmente no mercado são a capacidade empreendedora, saber trabalhar sob pressão, ser comunicativo, criativo e inovador, além de saber negociar, ter capacidade para planejar, organizar e liderar. Ser assertivo na hora de tomar decisões, tendo flexibilidade e agilidade em situações inesperadas.

“Hoje, um dos fatores que vem sendo trabalhado é o treinamento e desenvolvimento de competências fundamentais para trabalhar em equipe, bem como a ampliação e aquisição de competências para relacionar-se com os colegas e sensibilizar-se sobre a importância da formação de times coesos de trabalho”, avalia Paula. Sim, leitores, não é tão simples. As empresas exigem cada vez mais e mais de seus profissionais.

Nos processos seletivos, por exemplo, existe o que se chama de entrevista por competências. Esse recurso de seleção e recrutamento parte da idéia de que comportamentos passados podem dar indícios de possíveis comportamentos futuros. “Por isso, nesse tipo de entrevista busca-se focar a experiência profissional que o candidato possui na área de interesse, investigando principalmente quais e como desenvolvia as atividades propostas, buscando identificar quais seus conhecimentos, formas de agir e pensar, que somadas às informações do currículo e características pessoais, permitirá ao selecionador delinear o perfil do profissional e seus potenciais”, diz Cristiane.


Como desenvolvê-las?

É por meio do processo de aprendizagem que se desenvolvem as competências. Os resultados, diz Paula, vêm quando estruturamos uma abordagem de educação continuada, que integra teoria e prática, propõe vivências diversificadas, muita prática e ênfase no autodesenvolvimento.

“Intercalar atividades com períodos de estudos e projetos no dia-a-dia assegura os três “C's” para que as competências sejam colocadas em prática:
*Continuidade – processo contínuo de aprendizagem, buscando total assimilação.
* Conseqüência – os conceitos devem ser colocados em prática.
* Conexão – as competências de gestão são interdependentes e conectadas entre si.”

Se até agora falamos apenas de competências básicas, essenciais, saiba que existem as outras, aquelas que fazem a diferença, como poder de decisão, liderança, raciocínio criativo e resolução de problemas – competências normalmente encontradas em profissionais de alto nível – e pouco encontradas em profissionais de nível médio ou inferior.

Mas não se desespere. As competências, acredita Paula, podem ser adquiridas e desenvolvidas nos diversos contextos da vida, mas como existe uma infinidade delas, nem sempre um indivíduo obtém todas de uma única vez. “A capacidade de posicionar-se corretamente perante os desafios de um ambiente em contínua transformação exige revisões constantes de metas e estratégias em todas as áreas das organizações. Como forma de atuar diante destes novos cenários, muito se tem dito acerca do papel que as pessoas desempenham nas organizações, reconhecendo-se que são elas que fazem a diferença nos momentos cruciais de mudança.
Neste sentido, é cada vez mais claro que o sucesso de planos e estratégias depende de pessoas comprometidas com a missão e os objetivos das organizações, assim como do desenvolvimento de uma série de competências para que as pessoas estejam à altura de assumir desafios. Isto faz com que uma das prioridades de uma política de recursos humanos seja definir as áreas de desenvolvimento para seus membros como forma de potencializar a capacidade de ação das organizações.”

Muitas vezes pessoas diferentes têm o mesmo conhecimento e, no entanto, não obtêm os mesmos resultados em uma mesma tarefa, uma vez que é necessário também a habilidade específica para realizá-la. “Dois executivos podem, por exemplo, ocupar a mesma posição de gerência em uma mesma empresa, e ter os mesmos conhecimentos sobre como se deve liderar uma equipe, no entanto, um deles pode extrair mais resultados de seus subordinados que o seu colega, porque certamente tem mais habilidade. Há quem diga que nascemos com as habilidades e que durante nossa vivência as desenvolvemos. Por isso eu diria que uma pessoa não vai adquirir qualquer competência que desejar, mas com dedicação e treino muito pode ser aprendido”, avalia Cristiane.

As competências variam conforme a área de atuação e a função do profissional?

Existem competências que são comuns entre as muitas funções exercidas pelo profissional, entre elas podemos mencionar a persuasão e o trabalho em equipe, competências estas fundamentais para o desenvolvimento do trabalho do profissional. É claro que muitas vezes uma competência em especial pode ser mais desenvolvida de acordo com a área de atuação. Como exemplo, um gerente administrativo pode desenvolver mais sua competência na tomada de decisões do que um funcionário operacional.

“Em termos genéricos, poderíamos dizer que toda organização necessita de quadros com as seguintes competências gerenciais básicas: liderança, persuasão, trabalho em equipe, criatividade, tomada de decisão, planejamento e organização e determinação. A estas, cada organização pode acrescentar aquelas que considera críticas para o alcance de seus resultados específicos. O importante é que as competências gerenciais expressem o espírito da organização e a ajudem a alcançar mais e melhores resultados”, explica Paula.

Além de aprimorar suas competências periodicamente, o profissional pode e deve aplicá-las, acredita Paula, em seu dia-a-dia nas mais diversas situações apresentadas pelo mercado de trabalho. Estas situações serão constantes, seja pela evolução, concorrência, adequação ou direcionamento estratégico da empresa. “O profissional poderá realizar uma análise crítica de quais competências ele necessita (e não de quais ele não possui) e traçar uma estratégia de como poderá adquiri-las e desenvolvê-las com o tempo. Priorize sua competências, verifique como obterá estes conhecimentos, aplique sua estratégia, acompanhe o processo e analise os resultados alcançados”.

Na opinião de Cristiane, o profissional deve observar sua própria atuação dentro da empresa, que resultados tem alcançado e se os mesmos são satisfatórios, contribuindo para o crescimento da organização. Caso identifique falhas, deve analisar que tipo de características e comportamento poderia adotar para melhorar seu desempenho.

* Cristina Balerini é jornalista. Tel.: (11) 3177-0700, ramal 296.
Fonte: catho.com
Mensagem do Presidente
Notas e Fatos
 
Ponto de Vista
 
Frases e Idéias